Crafting the SAPO Campus platform, a thousand pixels at a time.
Search
Latest posts

High Performance Javascript - dealing with JSON

No Widget is an Island

Designing Email - Part II

Designing Email - Part I

The amazing "widget" object

The Facebook Witch Project

SAPO Campus keynote from OSL Unesco demonstration session

SAPO Campus session at the UNESCO OSL Seminar

SAPO Campus - Eden Seventh Open Classroom Conference

SAPO Campus leaflet for the UA freshmen

Archive

Janeiro 2011

Novembro 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008
SAPO Campus - introdução
Este é o primeiro post público sobre o projecto SAPO Campus que, enquanto conceito de investigação, começou por chamar-se Portal Universitário 2.0. Este é um projecto que me diz muito porque, para além de representar a parte mais visível do meu trabalho de doutoramento, é o resultado de um extenso e intenso trabalho de investigação que tenho vindo a realizar nos últimos anos.

Como vou começar a escrever regularmente sobre este assunto, hoje vou optar por ser breve… mas espero conseguir despertar a atenção para os posts que se vão seguir :)

Acredito no enorme potencial das ferramentas da Web Social/2.0 em contexto educativo (talvez hoje já muitos não duvidem!) e considero que, neste momento, a maioria das instituições de ensino se encontra numa encruzilhada. Estas continuam oficialmente a dar suporte e incentivar a utilização de um LMS institucional mas cada vez mais professores e alunos começam a sentir a necessidade de utilizar ferramentas da Web 2.0 para suportar algumas das suas actividades pedagógicas e/ou científicas. Para estes (normalmente os mais aventureiros), na maioria das vezes a solução passa pelo recurso aos muitos serviços disponibilizados gratuitamente fora da própria instituição.

Do ponto de vista pessoal e de investigador não tenho nada contra a utilização dos excelentes serviços que, quase diariamente, vão sendo disponibilizados na Web! Eles são para mim fundamentais…

No entanto, enquanto este tipo de utilização da Web 2.0 persistir a um nível institucional, muito dificilmente, assistiremos a uma disseminação em larga escala nas respectivas comunidades. Sem essa utilização em larga escala, considero que estamos a perder um enorme potencial, principalmente na capacidade de promover uma cultura de maior abertura do ponto de vista pedagógico e científico dentro das instituições de ensino.

Como conseguir a disseminação de serviços da Web 2.0 dentro de uma instituição é uma questão complicada e para a qual tenho procurado encontrar uma resposta.

Na realidade, actualmente já são disponibilizadas algumas soluções que aparentemente apresentam uma solução simples e eficaz para a questão anterior. A primeira solução é apresentada pelos próprios LMS que, procurando responder a estas necessidades, têm vindo a adaptar-se/transformar-se de modo a permitirem uma maior abertura com a introdução de alguns serviços com características idênticas aos da Web 2.0. Uma outra solução tem surgido com a nova oferta de plataformas orientadas para a construção de comunidades sociais, que agregam de raiz um conjunto de serviços da Web 2.0, por exemplo, o Ning e o Elgg.

Relativamente a estas novas plataformas, quando começaram a ser discutidas e disponibilizadas, o seu potencial pareceu-me interessante. Apesar de continuar a achar que são plataformas interessantes e com algum potencial em contextos educativos, actualmente encontro-me a preparar um artigo cujo título provisório é “Are Elgg and Ning in Web 2.0?” e, no qual, procurarei demonstrar porque é que a resposta se deve inclinar para o não! Mais tarde voltarei a este assunto.

Algumas destas preocupações aparecem mencionadas num artigo do qual destaco a seguinte afirmação:

“Jim Groom, an instructional-technology specialist and adjunct professor at the University of Mary Washington, coined the term, and this week on his blog he declared himself a poster boy for the movement. He says he is worried that Blackboard’s latest release, which attempts to incorporate the latest social-networking tools, will end up presenting a watered-down version of what pioneers of Web 2.0 technologies have done in their experiments. (o termo a que se referem é “Edupunk”. O bold é da minha responsabilidade e a extensão da “preocupação” a serviços como o Ning e o Elgg também.)

Então, idealmente, que tipo de serviços Web 2.0 as instituições de ensino devem disponibilizar para a sua comunidade?

Entre outras considerações, o objectivo fundamental deve passar por conseguir disponibilizar localmente um conjunto de serviços independentes (blogs, wikis, social bookmarking, fotos, vídeos,…) que permitam uma utilização livre (sem aprovações superiores) a qualquer membro da comunidade (professores, alunos e funcionários) e, por defeito, abertos para o exterior.

Conseguir algo deste tipo parecia muito complexo, mas observando a forma como o SAPO estava internacionalizar ou descentralizar a sua presença e oferta de serviços para Cabo Verde e Angola, a solução pareceu-me relativamente simples. O objectivo anterior poderia ser largamente alcançado se o SAPO permitisse o mesmo tipo de descentralização de serviços ao nível das instituições de ensino!

Alcançado este objectivo, a solução não me pareceu suficiente para responder a algumas necessidades básicas específicas das instituições de ensino. No estudo efectuado, tornou-se evidente que seria imprescindível adicionar novas funcionalidades que permitissem transformar o processo de agregação de vários serviços em algo muito simples para o utilizador final.

A proposta elaborada foi esquematizada no diagrama geral que se segue:



O post já vai demasiado longo para explicar minimamente os objectivos de cada sub-projecto (identificados por P#). Essas explicações ficam prometidas para os próximos dias bem como o destaque das pessoas envolvidas em cada um desses trabalhos.

A plataforma aqui presente não pretende dar resposta a algumas questões e situações que os LMS actuais resolvem de uma forma adequada, nomeadamente assegurar a privacidade das comunicações, garantir o acesso reservado a conteúdos, fornecer mecanismos de tracking e disponibilizar ferramentas de avaliação. Muitos cenários de Ensino e Formação à Distância têm estas condicionantes reais!

Para já fica aberta a discussão a esta proposta :)

Para terminar queria destacar o enorme contributo do Benjamin Júnior e do Luís Pedro em todo este trabalho que temos vindo a desenvolver. Obrigado!

Nota: Este post foi originalmente publicado no naPraia mas os desenvolvimentos deste projecto vão passar a ser descritos neste blog.

Published by bruno-abrantes às 15:29

Comentar:
De
Nome

Email

Url

Guardar Dados?



Email

Password



Comentário

Máximo de 4300 caracteres




About us
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


tags

todas as tags

subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários